segunda-feira, 24 de abril de 2017

Quem...

Quem ainda anda por aqui???
Deixa mensagem no comentario sff

terça-feira, 28 de março de 2017

“formigueiro”

Tenho “formigueiro” nos dedos… tenho de voltar a “trocar” letras

domingo, 5 de março de 2017

... diz-me

Queres dizer-me alguma coisa??? Sim... não? (pensa nisso)

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

... saudades

Tenho saudades tuas e... tu?

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Lembranças

... passei apenas para desfolhar o "livro" das memórias

quarta-feira, 30 de abril de 2014

Saudades... porquê?















Nesta noite sem luz
Nada a ti me conduz
Estas longe e não te alcanço
Tenho saudade da tua voz
Geralmente, penso coisas sérias...
Mas …
Por vezes tenho uns pensamentos…
"Safados"
Fosse com luz ou as escuras
Espero-te com alma vazia
Essa força que me puxa para ti
Que desejo bem louco
Vamos saciar esses nossos desejos 
Imagino-te comigo…
Quero-te enlouquecer
Quero ser intenso, maravilhoso
Ser teu completamente, sem limites,
Saciar-te de prazer com minha boca,
És o pedaço que falta da maçã mordida
Deixar minha língua percorrer teu corpo
Quero o teu cheiro, tua pele, tua respiração ofegante,
Quase posso sentir teu corpo sobre o meu.
Deixo minhas mãos tocarem o teu corpo com leveza
Os sussurros mais altos
Eram como alucinações perdidas
Vindo com tanta paixão
Era como o sangue que corria no coração
És a centelha que acende perto do teu olhar
Mas, a saudade te arrebata com força
Saudade do beijo que molha meu céu
Saudades sim...
E gosto quando sentes isso!
Sente, sente mais!
E…
Quer-me muito, eu insisto... (quero mesmo)

terça-feira, 29 de abril de 2014

Sonho "BOM"















Onde andas agora,
É noite é antes de tudo
Sou sombra nocturna,
Adormeces.
Fico a imaginar-te...
Nas delícias do sonhar
Invado os sonhos em voo no céu azul
Deixo minha mente fértil
Levitar sem direcção.
Segue a melodia sem música
Encontro de línguas...
Carinhos de mãos...
Suavemente os dez dedilham o teu corpo atraente
A pele já está morna e arrepiada, mas não de medo.
Mãos que nunca se acabam
Entrelaçar de cabelos em meus dedos
Já não sabem onde acariciar
Elas sempre se encontram no mesmo lugar
O encontro é inevitável
Minhas mãos atrevidas satisfazem o meu desejo
Que sonha com um corpo nu
E a respiração torna-se difícil
O prazer é intenso
Sim. Estamos levitar...
Não! (dizes tu)
Estamos flutuar... .
Minha alma fica ainda mais leve
para saciar a minha imaginação.
Apenas criatividade e sonhos.
De um prazer que não me envergonho.
Depois de satisfeito
Que deslizam em teu corpo
Enquanto a solidão deliciosamente me abraça
Confortavelmente me aconchego
Nas carícias da fumaça.
Como uma Sombra desapareço na noite

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

“Come-me sem pressa”

Ainda me lembro dos meus tempos de menino, 
Eu era jovem e tímido demais 
Nesse tempo 
O sexo era para mim um grande mistério, 
E tudo um grande segredo 
Então, Serenamente, 
Levavas-me para o teu quarto num gesto delicado 
Vinhas aconchegar-me nos teus braços 
E, como quem beija ou acarinha um filho, 
Lentamente … despias-te naturalmente 
Expondo-te pouco a pouco 
Aos meus olhos atónitos, 
Esse mistério novo, 
No silêncio longo dum profundo olhar, 
Sentia um impulso, um desejo. 
Tentava mas, 
Não fazia a menor ideia 
De como controla-lo, 
Como resolver aquela excitação 
Nos mais variados instantes 
Em pensamentos libidinosos. 
Danço a morte da fome... 
Foste aquela que me acolheu por dentro 
Dedilho suas tentações com a mão nos teus seios 
Te dedico o meu saborear, 
Degusto por centímetros, 
Ardor de dois em um... 
Corpos sedentos, 
No delírio da presa me pedias bem baixinho 
“Come-me sem pressa” 
No cheiro doce do teu corpo, 
Saciávamos a angústia a nossa partilhada 
Eu sou aquele que te ouve os segredos 
E te provoca em mistérios antes do dia nascer... 
Realizo-me CAÇADOR!

domingo, 29 de julho de 2012

Viagem atribulada


Tudo aconteceu de uma forma bem estranha.
Já era noite. Passava pouco das onze horas. 
A agitação lá fora se fazia sentir em todas as pessoas que chegavam para a viagem. 
O comboio estava na estação prestes a partir. 
E, como toda partida, lançava fumaça de tristeza pelos ares.
Entrei e fui sentar-me e notei que estava meio vazio, talvez devido a hora avançada. Fiquei a olhar e de relance vi que uma rapariga linda vinha apressada em direção a carruagem.
Ela entrou e para minha surpresa veio se sentar ao meu lado. 

Estranhei aquilo, uma vez que havia ainda muitos lugares vagos, mas lembrei-me de que pedi a pessoa do guichê, que desse um lugar ao lado de uma mulher bonita (acho que ele me atendeu).
Pediu licença e se sentou ao meu lado e começamos a conversar quase olhos nos olhos sobre assuntos banais.
A certa altura ela disse:
-O toque que certamente não cruzará os nossos caminhos
- Não sei mas creio que possa existir essa vontade (falo por mim)
-Existe desde o momento que cruzamos as primeiras palavras essa vontade existe em mim
-Depende do desenrolar delas, iram e até onde as deixarmor ir
- Sabe costumam dizer que quando se deseja muito algo esse algo acontece e digo com toda a certeza do mundo que tudo o que desejei ou imaginei poder ter, tive. 
Existem palavras que nos tocam, juntando a excitação que carrego por não dividir o meu corpo com ninguém facilmente fico com vontade.
-Posso pegar nestas palavras e falarmos sobre isso?
-Sim pode, na realidade não consigo mentir tenho que satisfazer o meu corpo.
 Uma hora de viajem já estavam quase todos dormindo, menos eu e ela, que conversávamos animadamente, até que ela falou que iria tentar dormir um pouco.
Ela deitou-se e encostou-se no meu ombro, senti seu cheiro, vontade enorme de lhe tocar. Ela tinha uns olhos lindos, seios deliciosos, com os biquinhos durinhos. 

Até ali tudo normal, mas com o balançar do comboio, ela virou-se de lado e encostou-se ligeiramente, e eu, nem queria acreditar. 
Comecei a fazer filmes, fiquei excitado, mas ela dormia como um anjo. 
Encostei-me um pouco mais e fiquei ali a roçar-me.
Entretanto as luzes apagaram-se ficando só as de presença.
Reparei que ela estava com uma saia até aos joelhos.
Não resisti, peguei num cobertor e cobri a mim, e a ela.
Por debaixo do cobertor levantei a sua saia até a cintura e reparei que tinha uma cuequinha preta toda enfiada no reguinho, fiquei maluco com a cena. 

Encostei-me melhor e continuei a viagem roçando aquela maravilha, mas não por muito tempo. 
Não me consegui segurar e comecei a masturbar-me até atingir o orgasmo.
Levantei-me, e fui ao wc para me lavar e quando voltei ela estava virada para cima, debaixo do cobertor, mas dormia profundamente. 
Sentei e espreitei por baixo do cobertor e reparei naquele "papinho" bem gordinho, simplesmente delicioso.
Arrisquei e passei a mão ao de leve, aproveitei e levantei a blusa vi então os peitos maravilhosos e não aguentei... comecei a beijá-los e chupá-los bem devagar. 
Ela continuava a dormir profundamente.
Já louco afastei a cuequinha não resisti e fui enfiar o dedo, e para minha surpresa estava encharcada.
Logo vi que ela não estava dormir, mas continuei, fingi que estava. 

Comecei a massajar o clitóris e ela por instinto abriu as pernas. 
A respiração foi se tornando ofegante, desci para o meio das pernas por baixo do cobertor e comecei a chupar intensamente.
Ela mexia os quadris bem devagar... senti quando ela atingiu o orgasmo tendo espasmos internos e relaxando o corpo. 
Voltei para o meu lugar e depois de sentado peguei na mão dela e levei-a até o meu pénis, mas ela não segurou. 
Eu fechei a mão dela e bati uma punheta com ela.
Daí até a um novo orgasmo foi rápido e, ela não comentou nada sobre o ocorrido, como se de fato tivesse estado dormir a viagem toda.


(terá continuação)

terça-feira, 12 de junho de 2012

Apenas confie


No meio da noite começo a escrever
Por mais que eu tente mudar o rumo das letras
Elas sempre me levam para um mesmo lugar
…ta na hora de contar as histórias?
- Quase, elas estão assistindo tv… agorinha elas vem
- Queria que contasses uma para mim
- Posso te contar uma agora
- Então conta
Era uma vez uma sonhadora
Que se dececionou muito na vida mas nunca desistiu
Dá para ver nos seus olhos que já sofreu por amor
É por isso que o teu coração se fechou
Sei, que angustiado o coração se endureceu
Mas, Deus sempre esteve em seu caminho
Um dia, quando ela acordou
Deus lhe disse que aquele dia seria marcante
Ele lhe daria mais um presente dentre tantos que já lhe dera
Um presente que mudaria sua vida para sempre
Ela aceitou e hoje sua vida é outra vez cheia de esperança
Mas com uma grande diferença
Existe um sentimento lindo e puro
Que deve ser vivido com todas as forças do seu coração
- Apenas confie (foi isso que Deus lhe disse)
Não tenhas medo, pois eu estou aqui
Quero guiar os teus passos
Vem, entrega-te
E quando anoitecer
Cansado eu te encontrar no silencio
Eu irei te consolar
O meu jeito tímido
Sem confessar, o que fez a solidão
Não sei porque sou assim
Só sei que sou
Não sei por que
Não posso me aproximar, dizer olá
Não sei por que, eu não consigo entender
Eu sinto algo diferente
É estranho, não sei explicar
Posso até sentir paixão
Ou talvez seja só atração
Mas se for de verdade é um vulcão
Totalmente quente e ardente.
Vem, que a tempestade já não pode te abalar
Encontrarás a segurança no meu barco
(e Deus repetiu)
- Apenas confie
-Boa noite meu querido
-Boa noite Princesa

sábado, 22 de outubro de 2011

A princesa perfeita

Era uma vez uma princesa perfeita,
Tudo dela era certinho,
Tinha os olhos adocicados e profundos,
Lábios carnudos, com gosto de desejo,
Ela cresceu perfeita,
E junto com ela os seus perfeito sonhos,
Sonhos que toda mulher perfeita deseja,
Um dia, uma princesa lamentou-se com seu espelho,
Sou bonita, inteligente, perfeita,
Então por quê fico sozinha diante as dificuldades?
Veja minhas amigas, todas têm companheiros,
Quando eu permaneço só,
Tive sentimento que mesmo a pessoa que amo ainda,
Me deixou sem ajuda quando eu a precisaria tanto,
Por quê fico tenho de estar sempre sozinha,
Então o espelho tremeu, vibrou e a princesa viu-se…
Um rosto e um espírito de pedra, “esta sou eu?”
Não sou assim dura,
Por quê me magoaste com esta visão de pedra e gelo?
O espelho respirou fundo, encheu-se de coragem e disse:
“Todo em ti parece um castelo inexpugnável, uma fortaleza,
Mesmo teu coração vive como um prisioneiro ali dentro,
É bom de ter tão valiosa protecção por parar as maldades,
Mas se queres viver feliz tens de esvaziar a complexidade da vida”
No entanto o mundo real é bastante concreto,
Logo desfaz esses sonhos que insistem em habitar nosso imaginário,

O príncipe encantado logo se transforma em um sapo,
É preciso ter a coragem para beijar o sapo,
Todos precisam de um beijo,
Para ter certeza de que aquele é o seu príncipe encantado,
O beijo dá a certeza de que o encontro foi realizado com êxito e perfeição.
O beijo que trocamos,
Fez qualquer resquício de dúvida dissipar-se na minha cabeça,
Chupei sua língua e senti-me molhar toda,
Enquanto os bicos dos meus seios chegaram a doer de tão duros que ficaram,
Apesar do receio inicial, estava curiosa e por demais e excitada,
Pode-se dizer mesmo louca,
Para ficar ponderar se tinha agido certo,
Ele foi carinhoso,
Beijou-me toda e ao lamber-me os seios,
Senti uma ânsia de gozo percorrer as minhas pernas,
Senti-me pulsando, quente, esperando por ele,
Ele então se baixou e beijou minha barriga,
Arrepiando-me por completo,
Seus carinhos em meu corpo faziam-me desejá-lo cada vez mais,
Quando ele me virou, ouvi um leve suspiro que me deixou intrigada,
Várias histórias nos permitem acreditar,
Que a nossa verdadeira alma gémea,
Nos espera em algum lugar do mundo.
Mitos e verdades permeiam as nossas mentes,
E nos fazem sonhar com nosso príncipe.

domingo, 28 de agosto de 2011

Tantas vezes eu já sorri

As palavras custam a sair,
Nem sempre encontro o melhor termo,
Nem sempre escolho o melhor modo,
Pensei que se falasse era fácil de entender,
Para resolver o meu problema de expressão,
Não digo o que estou a sentir,
Não sei porquê este embaraço,
Quando os teus olhos me ignoram,
Passo por ti, tu nem me vês,
O teu mundo está tão perto do meu,
Transforma minha tristeza em ouro precioso,
Toca as minhas lágrimas com seus lábios,
No meu mundo está na ponta dos teus dedos,
Porque nunca é tarde,
Para alguém sonhar,
Eu só queria poder acordar,
Num sonho teu,
Que eu quero dizer-te,
Sei lá eu o que quero dizer,
E o que digo está tão longe,
E é tão difícil dizer amor,
E mesmo quer que sejamos mais do que amigos,
Eu sei que queres tentar… eu também,
Podes dizer que é um sonho meu,
Mas os sonhos não deveriam se realizar?
Qual o caminho que irá dar,
A esse teu mundo onde eu queria entrar?
Tantas vezes eu já sorri
À espera de um gesto... de um sinal
À procura de um toque... de um olhar
Tentando saber se algum dia os nossos mundos se irão cruzar...
Vem esta noite…

sábado, 16 de julho de 2011

Quem sabe… um dia

As pessoas procuram-se umas as outras
Para compartilharem suas vivências
Sentimentos sem se importar pelo espaço imenso que há entre elas
Pessoas carentes abrem coração
A alma na busca incansável de uma palavra amiga, um carinho, uma atenção
Amigos??? (penso sobre isso)
O que quer dizer?
Não me refiro ao que o dicionário diz
Mas ao que o nosso coração diz sobre o assunto
Pode-se gostar de uma mulher solteira de uma casada?
Uma por outra que vive distante, ou mesmo que nem conhece pessoalmente
Podemos sim nos apaixonar, enamorar
Ligar com grossos laços de afecto a qualquer pessoa
Próxima ou distante, amarrada ou livre
Com quem tenhamos um relacionamento pessoal ou não.
O que dizer?
Podemos julgar?
A verdade é que hoje esse ambiente ferve aquecido pela falta de afecto
Pela falta de companheirismo
Pela falta de amizade.
Eu estou a sonhar, a sonhar em voz alta
Estou a procura da parte do meu coração que se perdeu
Aconteceu, tu apareceste e me encantaste
Coisa do destino… Amizade?
Podes alcançar a minha alma
Eu te farei perder o controlo
Eu serei o teu sol à noite
Sempre estou à tua disposição
Basta um toque da tua mão
Para mandar uma mensagem
Essa e a vantagem de ter um amigo (.com)
Amar assim e muito bom
Numa noite virtual
Nesse lugar magico… (teu leito)
Que partilhas sem pensar, sem imaginar
O amor, sorrateiro
Chegou para ficar
Descobriu-nos…
Trouxe-nos tentações
Libertou-nos…
Trouxe novas emoções
Sussurros no ouvido, palavras cálidas
Afloram-se os desejos
Surgem tentações, toques de prazer
Sensações maravilhosas
As resistências cedem, o corpo deseja
A temperatura sobe, os pêlos eriçam
Os nervos se concentram, os músculos retesam
Os pensamentos vagueiam, cai em vertigem
Cresce em mim uma ansiedade, uma vontade louca
De voar nas estrelas, empurrado pelo vento
Viajar num sonho, feito de realidade
É… quem sabe… um dia nós nos encontramos

terça-feira, 25 de janeiro de 2011

(eu não sei esperar)

A Noite cai...
O escuro vem como cinzas de carvão
Os meus sentidos não fazem sentido
A imaginação
Leva-me à lugares em que nunca estive antes
Não sei se é a nossa amizade
Que cobre os teus olhos
Evitando ver o meu amor
Não consigo tocar no teu coração
Procuro coragem para dizer que te amo
Mas não consigo quando tento
Não acreditas…
(brincas)
Aquele olhar que toca
Sob a máscara da mulher muito ocupada
Bem sucedida na solidão
Seus anseios profundos
Seus desejos secretos de mulher
Fantasias, gemidos, encontros passageiros, sensuais
Rituais sagrados de puro prazer
Se eu pudesse te beijar
Te abraçar como me apetece
Para libertar este amor tímido do meu coração
É muito fácil de explicar difícil de acreditar
A profundeza deste olhar
É o sol que queima através da raiva da lua


Esta tão quente aqui
Respira em mim
Apenas respira em mim
Não precisamos nos tocar
Apenas respira...
Apenas junta os teus lábios...
(sussurros)
Ohh… está tão quente, e eu preciso de ar
Nem que o vento sopre enquanto a chuva cai
E leve para longe este sonho
Eu só quero tocar nas tuas mãos
Te ter mais perto de mim
Sentir o teu abraço que me envolve sem fim
Ao cair da noite sinto-me abandonado
Não tenho a solução
Na porta entre aberta
A minha saudade aperta
Uma vez mais na cama da solidão
Nas noites e noites a fio
No abandono vazio do lugar da tua ausência
Esgotei a minha dor e perdi a paciência

sábado, 15 de janeiro de 2011

Diz-me …

A cidade está deserta,
E alguém escreveu o teu nome em toda a parte:
Nas casas, nos carros, nas pontes, nas ruas.
Tenho visto o teu rosto... e estás só
Quero que saibas que nunca vais estar sozinha
Sabe bem ter-te por perto
Confesso que não sais da cabeça
Mas eu te seduzo…
A nossa vez há-de chegar
As nossas mãos vão se unir
Não tenhas medo do que há-de vir
Para alcançar o coração
A vida passa tão rápido
Para os segredos que permanecem
Logo o futuro se torna o passado
Como a noite se torna em amanhecer
Um dia serei um anjo
E farei a seta bater-te no peito
Ou o diabo serei
E faremos o crime perfeito
Sonhei na noite passada que fizemos amor
Na doce languidez de um grande abraço...
Eu traço o caminho da boca
Te comer como uma maça que se morde e se larga
Corpo ardente em desejos de tocar-te
Nas minhas mãos te desenho o caminho
Com as pontas dos dedos te toquei te perturbei
Na quietude de teu colo ainda quente do prazer
Nós demos tudo para amor.
Oscilar, como os barcos a deriva, as canoas
Como o vinho embriaga,
Se embebedar, como um tango, balançar se derramar
Cair, como o pássaro que é levado por grandes ventos
Vento que chama por nós
E quando amanhece sei sempre onde estou
E tu também vens
Também podes vir...
Esquecidos da vida não nos vão encontrar
Nós deixamos o mundo
Eu vou te dizer as palavras
Por mais que a procurem...
Eu vou te ensinar o amor
E sou eu que decido
Que te levo, que te guio e disponho de ti
Um milhão de sonhos que tenho sonhado
Em cada um deles
Eu vou te dizer as palavras
Que o amor continua
Por toda página que nós viramos
Cada lição que nós aprendemos
Mas o amor é certo e nunca errado
Tens que viver cada dia
Como se fosse o único…
Diz-me …
E se o amanhã nunca vier?

sábado, 8 de janeiro de 2011

É pecado desejar-te assim?

As primeiras palavras, simples e directas
Trocadas em meio magnético
De prazeres prolongados
(virtual)
À noite quando as estrelas iluminam meu quarto
Eu sozinho confessando-me à Lua
Eu tenho a oportunidade de te ver
Quando fecho meus olhos
Estas do outro lado
Tento chegar até ti
Pareces falar comigo
Oh,..
Será que sou um tolo aqui sozinho
A conversar com a lua?


Meus gozos começam onde terminam os teus
O pulsar dos corações
Em noites de Lua cheia
Imensurável desejo
Em busca dos prazeres nos vãos
Que eu pensava adormecido
Ansiando o caminho do teu corpo
Penetro com olhares nas frestas
Nos dedos a minha melodia
Nas carícias das minhas mãos
Daí iniciam-se várias festas
Em detalhes no teu peito
Procurando o teu corpo
Para afagar a tua carne nua
Encrespada pelo vento
Sentir a tua pele morna
Sob luar de um regaço
A sussurrar pelo idioma da tua boca
E haverá um beijo silenciando nossos lábios
Porque é em ti que bebe minha sede
O meu prazer secreto
Estou fora de mim
Talvez perdido num conto de fadas
Preciso ver-te
Nua... Em detalhes
A quebra do feitiço
É pecado desejar-te assim?
Adormeci a criar pensamentos
Mutilei sonhos em busca de uma razão
Tatuar teu nome

domingo, 28 de novembro de 2010

Era uma vez,

Contaram-me a mim…
Que a vida passa tão rápido
Para os segredos que permanecem
Logo o futuro se torna o passado
Que de nada nos vale tentar fugir
Para que negar ou se quer fingir
Se eu sentir que não sou capaz
E cada silêncio
Cada gesto que tu faças
Sentada a meu lado
Toca-me assim
Envergonhado estou-me a sentir
Tudo é ilusão neste quarto vazio
Fecho os meus olhos e toco-te à distância
A pensar em ti que o coração palpitou abrindo meus lábios
Beijo roubado no escuro
É um truque inventado
Para interromper quando as palavras se tornam supérfluas
E eu quero sentir-te ainda que seja por um toque
Quero ver-te ainda que seja através de um espelho
Quero amar-te ainda que seja por uma fantasia
E chamei-te pela noite
Entraste no meu sono
Vou ficar a despir-te
Agora é que tenho vontade de …
Te sugar
Lamber
Percorrer cada centímetro
Depois ficar dentro de ti

Partilhar prazer ao som desta voz

domingo, 31 de outubro de 2010

Halloween


(clicar na imagem)

A origem do Halloween remonta às tradições dos povos que habitaram a Gália e as ilhas da Grã-Bretanha entre os anos 600 a.C. e 800 d.C., embora com marcadas diferenças em relação às actuais abóboras ou da famosa frase "Gostosuras ou travessuras", exportada pelos Estados Unidos, que popularizaram a comemoração. Originalmente, o halloween não tinha relação com bruxas. Era um festival do calendário celta da Irlanda, o festival de Samhain, celebrado entre 30 de Outubro e 2 de Novembro e marcava o fim do verão (samhain significa literalmente "fim do verão").
Posto que, entre o pôr-do-sol do dia 31 de Outubro e 1° de Novembro, ocorria a noite sagrada (hallow evening, em inglês), acredita-se que assim se deu origem ao nome actual da festa: Hallow Evening → Hallowe'en → Halloween. Rapidamente se conclui que o termo "Dia das bruxas" não é utilizado pelos povos de língua inglesa, sendo essa uma designação apenas dos povos de língua (oficial) portuguesa.
Se analisarmos o modo como o Halloween é celebrado hoje, veremos que pouco tem a ver com as suas origens: só restou uma alusão aos mortos, mas com um carácter completamente distinto do que tinha ao princípio. Além disso foi sendo pouco a pouco incorporada toda uma série de elementos estranhos tanto à festa de Finados como à de Todos os Santos.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

O segredo é eterno


Quinta-feira, por volta das seis e meia da tarde, resolvi não ir para casa mesmo sabendo que iriam estranhar.
Entardecia, o sol avermelhado ia se pondo tranquilamente no horizonte do mar e eu vagueava lentamente pela areia da praia, sozinho. Caminhava lentamente, observava tudo fixamente, mas ao mesmo tempo era como se não visse nada.


A lua já estava alta, cheia, o céu estrelado, lindo. Poderia servir para de inspiração para mais uma das parvoíces que eu escrevia, coisas sem grande valor. Era o que eu achava, pelo menos. Mas já havia algum tempo que eu não conseguia “escrivinhar” nada e, talvez conseguisse e que colocasse fim nessa minha angústia. Foi o que pensei…
A brisa trouxe-me um papel branco como em jeito de convite para a escrita.
O barulho das ondas pareciam me chamar e, o mar avançava, queria alcançar a lua mas a cada momento ela mudava de lugar, fugia de mim, e ficava cada vez mais longe.
As ondas continuavam a me chamar, mas agora elas gritavam mais alto. Resolvi me levantar.
Desconfiava, ou melhor, tinha certeza que algo de estranho estava acontecer. Não havia passado nem uma semana que cortei as unhas e… tinha de as cortar outra vez.
Pode ser psicológico! Pior de tudo era a minha paixão pela Lua.


A esta hora da noite desce uma nostalgia incontrolável que morde a alma e vontade de escrever sobre uma mulher que amei num tempo recente, porém os olhos do menino, o sorriso sujo, a cara molhada de medo e coragem, não me deixam pensar.
Por isso não conseguirei escrever sobre a mulher que desejei, numa tarde de um dia qualquer...
Existem épocas que inspiram a imaginação, que trazem para a alma um sentimento que parece transportar a mente, e nos remete a uma atmosfera de sonho e fantasia.
Levantei os olhos e o lugar em que me encontrava agora parecia ter saído das páginas do livro que tinha lido à pouco, e que, neste momento, transformara-se num areal rodeado de agua, e estava completamente só… acho eu.


-Será que isto é mesmo uma ilha deserta? … é, se isto é uma ilha deserta eu sou o Brad Pitt.
Ao fundo reparei em duas palmeiras unidas pela “minha” cama de rede, nem queria acreditar.
O encontro marcado pelo pecado, pela paixão, pela espera do corpo emoldurado, que deitar-se-á e desabará sob minhas mãos...
Talvez, tudo fantasia...
Mas um lobo é sempre o lobisomem, em minha insónia tardia, desnudados e nus como a lua, que atravessa nuvens emoldurando o mar.


Lobos-amantes despem-se para amar...
Ainda não vivi este sonho, porque nós somos proibidos, e proibidos nossos olhares e nossas bocas suplicaram por viver esse único e eterno sonho.
Só sei que foi bom demais, e que suplicávamos por mais...
Quero te contar uma vez mais: o sonho foi único, e o segredo é eterno.

sábado, 26 de junho de 2010

Palavras que (nunca) te direi


… perguntas, se eu estou bem.
E eu digo:
"SIM"
Mas o que mais eu poderia responder?
Não sei dizer, talvez...
Seria o final se um dia eu respondesse:
"NÃO"?
Enquanto os teus olhos dedicarem uma faísca do seu brilho para mim.
Porque realmente ele é lindo.
O meu coração está triste e só,
Mas prefiro admirar os teus lábios
E os mistérios que tentam ocultar
Talvez devesse arriscar mas,
Tenho medo de te perder.
Vais ficando no meu pensamento.
Quem sabe, te posso ajudar
Ou talvez não, depende de ti
Abre o coração
Senta-te aqui do meu lado
Conte-me o que aconteceu
Não te queiras enganar
Quem sabe, se pudéssemos contar as voltas que a vida dá
para que agente possa encontrar um grande amor,
Arriscava tudo por uma miragem
Por amor coloca-se a mão no fogo da paixão até queimar…
Somente por amor

sábado, 19 de junho de 2010

Adoro-te +


Quero te fazer sentir o toque da minha língua...
Passar pelo teu corpo....
Com beijos deliciosos ...
Minhas mãos envolventes tocando-te...
Excitando-te...
Dando-te prazer...
Sussurrar no ouvido...
Cada toque parece magia...
Os dedos passeiam pelos lábios...
Cada vez mais te excitando...
Fechas os olhos relaxando a cada um dos meus toques...
Vais delirar...
Desejar mais intenso...
Enorme suspiro se faz sentir...
Perguntas-me se te quero...
Fecho meus olhos, começo a te sentir...
A tua pele sobre a minha...
Falo-te no ouvindo...
"Beija-me"
Aos poucos tomas contas de mim...
Invadindo-me com deliciosos movimentos...

domingo, 7 de março de 2010

Eu quero saber o que é o ... A M O R


Eu hoje aprendi que o sonho não acaba, que o amor vai mas, o coração fica.
Meu amor foi doado, nunca fui cobrado, só queria amar e ser amado.
Num quarto escuro e vazio o coração de plástico explodiu no silêncio da noite.
Eu tentei parar o tempo segurar na tua mão, sei que tua fantasia é a de me levar a sentir a maré do sonho em cima das ondas vigiadas pela lua, para me beijares espontânea e sofregamente.
Nas noites claras de lua, eu fico a vagar no universo misterioso, cada vez mais secreto e longínquo mas, nas noites escuras, de breu, fico a vagar dentro de mim.
Teus olhos guardam segredos das noites de lua cheia, a solidão é apenas um momento em que sentimos o quanto somos imperfeitos sozinhos...
E então quem sabe outro dia, esse amor voltará em algum vento e vai ficar ao sabor dos lamentos, ansioso a esperar o momento que um dia deixou.

sábado, 20 de fevereiro de 2010

Procura-se...


Procura-se professora entre os 40/50 anos, com experiência e paciência para ensinar.
Tem que ser persistente e, se for o caso, repetir a matéria as vezes que for necessário para que fique bem entendida.
Por favor deixar email para que possa ser contactada.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Quem...


... não tentar, não perde !

segunda-feira, 20 de julho de 2009

AMIGO

Nome masculino
1. aquele que que tem com alguém uma relação de amizade
2. partidário; simpatizante
3. aliado; companheiro
4. amante
Adjectivo
1. afeiçoado
2. aliado;

Este é o significado no dicionário da língua portuguesa da palavra "AMIGO".


Para muitos fazer um "amigo" basta dar um click e já se acham no direito de como tal.
Se a "proposta" for rejeitada pensam logo que somos muito importantes, que não queremos fazer amigos.
Mas para ser amigo o simples click não chega... tem que se cativar para se merecer o verdadeiro sentido da palavra. Para mim os amigos não se coleccionam, mas sim aconchegam-se, cativam-se, e podem até se "amar"

"Um amigo é aquele que chega quando todos já se foram."

terça-feira, 19 de maio de 2009

O MUNDO do faz de conta

Com algum tempo de "estudo" sobre o tema que vai estando na moda descobri que grande parte da população vive no mundo do "faz de conta" o que queremos mostrar a sociedade mas, em paralelo ao nosso, construímos um de fantasia, em pequenas doses de momentos de vivências de loucura.

E com mais ou menos acanhamento começa o desenrolar de um conhecimento... homens e mulheres, jovens e adolescentes... conscientes ou inconscientes entram neste maravilhoso mundo... onde todos andam e se mostram, até de certa forma verdadeiramente, sem medos... o conhecimento e amizade vai aumentando ao ponto de atingir patamares nunca imaginados... vontades concretizadas que nunca seriam aceites pela sociedade.


Com pseudónimos (actuais nicknames) fazem-se procuras e ganham-se amigos, que alguns aproveitam para coleccionar (os cromos como eu lhes chamo) com o intuito de saciar a solidão entregando-se nas mais variadas emoções virtuais...

As mais variadas carências (que ninguém assume ter) são o prato forte de todos que procuram atenção que é deixada ao caso pela pessoa que esta ao nosso lado, procurando alguém que as ouçam, que as amem...

Quem entra para este mundo também acaba por ficar incompleto, mas vai ter alguém que o ouve com atenção mas, que acaba por não ser suficiente, porque precisamos do calor da proximidade, de sentir o cheiro, de tocar na pele, do olhar, olhos nos olhos, de sentir o aumentar do batimento cardíaco, no fundo de estar presente sentir que o que fazemos no nosso dia a dia e que acaba por não nos satisfazer por que é assim imposto pela nossa sociedade actual.

No fundo cada um é como cada qual e é o que quer ser e... assim aproveito para deixar uma frese que aplico frequentemente e espelha o que foi relatado atrás.

Cada um tem aquilo que merece... (porque assim o quer)

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

O pecado


Naquele dia acordou com a vontade de querer estar com alguém que à muito vem despertando a sua curiosidade. Sabe que um curto passo seu é o suficiente para que ele a aceite e se "derreta" a seus pés, sim porque ele espera o seu sinal a muito tempo mas...
O pecado acelera o batimento cardíaco daquela que se sente pecadora, o medo a domina, a vontade de correr de quem provoca este sentimento nela é maior que o desejo de ceder ao pecado, por medo. Mas o pecado e o medo são bons, pecar escondido é excitante.
... imaginei-a nos meus braços embalada... peguei na rosa que lhe enfeitava o cabelo e tirei as pétalas uma a uma e as fiz passar por entre os seios e descer suavemente pela barriga, gelou de excitação com os círculos em volta do umbigo. Segurando-a pela cintura, e com a outra mão acariciei lentamente as costas.
Os seus lábios, juntamente com meus dentes e minha língua começam a procurar pelo fruto, carnoso que dá vontade de devorar. No pescoço, os lábios sugando e mordendo... mas sabem muito bem que ainda não chegaram ao destino. O mesmo eu faço na orelha, alternando com mordidas carinhosas.
Entretanto as mãos acariciam a minha nuca, por entre os cabelos e, vai suspirando como se fosse o último sopro do dia.
A lua cheia e as estrelas nos iluminando o destino traçado daquela noite de pecado.
A minha busca continua... minha boca e minhas mãos procuram nas suas costas e no seu ombro.
Seu sangue fica quente, eu... suo frio, ela... nervosa por pecar. Calafrios de prazer tomam conta do meu corpo. A luz da lua ilumina seu corpo brilhante.
As mãos dela passeiam suavemente pelos meus braços e mãos... enquanto os meus lábios, dentes e língua procuram os seus seios, tornando os mamilos nervosos... empinando-se e implorando para serem devorados, mas pacientemente e sem pressa eu acariciava os seios como quem acaricia uma obra de arte.
A viagem pelo corpo continua, enquanto minhas mãos seguram forte as suas, o vento quente sopra, já prevendo o que estava para acontecer. O som do vento batendo nas folhas e o suspense no ar deixam a procura pelo fruto ainda mais excitante. Uma vez mais as mãos acariciam seu umbigo. Os lábios descem beijando a barriga e de novo as mãos passam pelos seios, pescoço, orelhas, boca e costas. Enquanto suas mãos já dominam o fruto por inteiro, eu beijo devoradamente os ombros que tantas vezes me deixaram com vontade de o fazer.
O vento, quente e misterioso, bate em nossos corpos famintos e meus lábios descem pelo seu corpo. De frente para mim, já caída pelo chão, está fervendo de excitação e, quando eu beijo sua boca, minha língua sente toda a voracidade da dela, e meus lábios possuídos percebem que o meu desejo é de possuir e...
o pecado é não querer pecar.

terça-feira, 13 de janeiro de 2009

A boleia


Depois de um dia de trabalho e já na hora de saída tocou o telefone (oh!! quem será?).
-Será que me dás uma boleia?
-Claro que sim, já vou sair.
Quando cheguei junto do carro já lá se encontrava e fomos entrando.
-Mais um dia de trabalho que ficou para trás.
-É verdade, e hoje estou mesmo cansada.
Mal iniciamos a viagem reparei que existia uma fila de trânsito (para/arranca, que seca). Numa das trocas de mudança existiu um toque de mãos assim meio sem querer, de leve, quase um acaso. Os dedos se entrelaçaram, enroscando-se lentamente. E as mãos se apertaram trémulas, eloquentes, quentes (fez-se silencio).
Ninguém podia imaginar a cumplicidade, muito menos o calor que lhe subia pelo corpo, num movimento irresistível, as mãos coladas de emoção deslizaram pela perna feminina, encaixando-se ansiosamente nos recantos de seu sexo (bué de coragem).
Com uma leve pressão, carícias profundas, ouviram-se alguns gemidos contidos.
Achei melhor sair da fila em que seguia e encostei na berma para um contacto final. A mão feminina deixou sua parceira mergulhada entre tecidos e pernas e avançou rapidamente para sentir entre os dedos o latejar gritante do sexo que, desesperado, se agitava sob as calças.
E num repente e sem que nada o fizesse esperar saiu da viatura apressada deixando-me ali sozinho sem reacção.
Fiquei ali algum tempo para tentar perceber o que tinha acontecido mas...
Acabei por entrar na "fila" e seguir para casa no fim de um dia de trabalho que terminou diferente dos outros.

Fruto proibido... mas gostoso


-Sou casada (disse num tímido mas sensual sussurro).
-Eu não sou ciumento (respondi , enquanto a olhava bem nos olhos).
Lá fora, a chuva não dava descanso.
Não fazia ideia como tinha conseguido que ela estivesse comigo naquele lugar. Tantas vezes tinha imaginado em minha mente (a sonhar alto, claro), a vontade louca de a sentir assim tão perto. Noites a fio sonhava com ela, mas o fim era sempre o mesmo (mais um sonho).
Por entre as sombras da escuridão, Maria se revelava a mulher ardente nos momentos da companhia dele… mas só. Era uma mulher plena e sublime, com paixão para dar e vender, inventando desculpas esfarrapadas para que o homem não ultrapassasse a última e definitiva fronteira.
-É melhor parar por aqui. Não posso... (num gemido enquanto a beijava e tentava chegar ao seio, passando a mão por debaixo da blusa).
-Não contarei nada a ninguém, nestas coisas de amor simplesmente acontece em nossas vidas (murmurei).
Uma a uma fui-a libertando de todas a peças de roupa deixando uma mistura de bafo e saliva pelo seu corpo. Tremeu (arrepiando-se), senti que a respiração ficou mais rápida, estava à beira da loucura (achei que subiria as paredes). Nunca poderia imaginar em que mares de puro prazer ela ira afundar nesta tarde chuvosa e fria. Mas aconteceu, tinha atingido a loucura, viajava pelo corpo dela como se conhecesse cada centímetro, cada canto de sua sensualidade, fazendo-a vibrar até ao extremo do belo prazer, (fazia com que sentisse mais mulher). Mordia a sua alma com beijos, dando-lhe á boca o fruto da perdição. Entre carícias e beijos sentia que a vontade lhe aumentava (percebia-se no olhar). De repente... o centro do Mundo era ali... ambos os corpos em perfeita cópula. Naquele momento a terra parou, (nada mais existia) aumentara o odor a confusão e excitação, como se todos os homens e mulheres, todos os amantes, todas as relações malditas e condenadas, ficassem resumidas a estes corpos, suados e brilhantes. Tudo deixou de existir (pudera…). A tarde de chuva torrencial, as faces familiares que sem dúvida os repreenderiam, os gritos e os silêncios.
Muito perto de atingir o limite e, estava ali com tudo que havia sonhado dias a fio, tudo o que sempre quisera e não pudera alcançar, ela acarinhando, e abraçando ia implorando para que aquele momento magnífico permanecesse, sem se preocupar se o mundo ia acabar, em chuva ou em fogo, sem se importar com o facto de ser casada e de partilhar este seu amor proibido… e eu depois de um breve fechar de olhos, fiquei na dúvida se…
-Não, não foi mais um sonho (será que foi?)

sexta-feira, 26 de dezembro de 2008

Amor


"O amor não é apenas um sentimento, é tambem uma arte""